Panqueca low Carbo


Ingredientes
1 ovo
1 colher de sopa de farinha de amêndoas  (ou farinha de coco integral)
Azeite- para untar

Modo de preparo
Misture ovo com farinha de amêndoas.
Opcional na massa:  sal ou canela, cacau em pó.
Leve a mistura para uma frigideira untada, vire a panqueca para grelhar dos dois lados.




Pão low Carbo


Foto:  Paciente Clarissa e Laura

Ingredientes:
4 Ovos
1 1/2 xíc. farinha de amêndoas
1/4  xíc.  farinha de linhaça dourada
1/2 colher de chá de sal rosa ou marinho
1 colher de chá de de fermento
Azeite ou manteiga- para untar a forma

Modo de  Preparo:
Pré-aqueça o forno a  150º C.
Misture todos os ingredientes.  Coloque a mistura na forma untada e leve ao forno por  45 minutos.
(ps. espete o pão com um palito de dente ou garfo, se este sair limpo, o pão esta pronto).



Tortinha Doce

 


Ingredientes da Massa
- 1 xícara de farelo de aveia 
- 1 xícara de farinha de milho 
- 1/2 xícara de Mel
- 1/2 xícara de Óleo de coco 
- 100 ml de água somente se necessário 

Modo de preparo
Bata todos os ingredientes no processador até que fique com uma consistência de massa oleosa.
Acomode a massa uma forma grande ou forminhas individuais  (usei forminha de silicone, não é necessário untar).
Rendimento:  8 unidades. 
Leve ao forno baixo por 15 minutos (até que fique dourada). Retire do forno e deixe esfriar. 

Escolha o recheio !!!!

Recheio 1) Maracujá.  
- Banana prata bem madura  - picada e congelada - 4  unidades 
- Polpa de maracujá - congelada  -  1 polpa 

Modo de Preparo:
Bata no processador ou liquidificar (com cuidado) a banana congelada com a polpa de maracujá (se necessário acrescente 50-100 ml de água para ajudar a bater. Sugiro que utilize a opção "pulsar" do liquidificador.   Recheie a massa (já fria) e sirva. 

Recheio 2) Maçã 
- Maçã cortada em fatias -  2 ou 3 unidades 
- Canela - a gosto 
- Chocolate meio amargo  picado- a gosto.
- Água

Modo de Preparo:
Coloque a maçã picada em um recipiente com água e leve ao microondas ou forno por 2 minutos. Descarte a água, acomode a maçã na massa, adicione canela e o chocolate amargo e leve ao forno por 10 minutos (até que o chocolate derreta). Retire ao massa do forno e espere esfriar (5 minutos) para que a massa fique mais crocante.     

Chips de coco



Ingredientes 
Coco seco
Sal rosa

Modo de Preparo
Obs-) Se você tem o coco seco ainda fechado,  coloque-o no fogo para abri-lo e facilitar com que a polpa se solte da casca.
Obs2 -) Outra opção é comprar a polpa do coco pronta fresca ou congelada.

Salgue-o com sal e leve ao forno pré-aquecido por  15-20 minutos.


Cappuccino (s/ leite de vaca)


Ingredientes 
Leite de caju com coco (marca: a tal da castanha) - aquecido
Café (solúvel ou  coado)
Cacau em pó - a gosto
Canela  - a gosto
Adocei com stévia 100% - a gosto

Modo de preparo
Misture os ingredientes.


O real impacto de corantes e conservantes na saúde




A adição de corantes e conservantes aos alimentos são caracterizadas como aditivos alimentares. Segundo a ANVISA, o aditivo alimentar não tem o propósito de nutrir,  mas sim modificar características físicas,  químicas, biológicas ou sensoriais, durante o processo de fabricação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem,  transporte ou manipulação do alimento. A quantidade destes aditivos  é  estabelecidas pela OMS  (Organização Mundial de Saúde), como quantidades aceitável (IDAs).

No entanto,  muitos estudos tem associado estes adivos  a malefícios a saúde, como  transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), câncer, hipersensibilidades alimentares,  retardo mental, autismo, entre outros. A hipersensibilidade alimentar é a mais comum, também dividida em: alergia alimentar e intolerância alimentar, caracterizada  como uma resposta do organismo contra estes aditivos. Os sintomas mais frequentes da hipersensibilidade são urticária, broncoespasmos, edemas, asma, dermatites, hiperatividade e câncer, muito associados aos corantes: amarelo tartrazina, amarelo crepúsculo e vermelho bordeaux .

A população mais vulnerável aos aditivos são os fetos e as crianças, devido a quantidade de aditivos por quilo de peso corporal ser maior do que em um adulto, desta forma as crianças acabam ultrapassando mais facilmente a IDA máxima. Além disso, as crianças apresentam uma certa imaturidade fisiológicos, o que pode prejudicar a excreção dos aditivos, podendo comprometer a sua função hepática (fígado).

Devido o risco a saúde, a Agência de Alimentos do Reino Unido (FSA) proibiu o uso de 6 corantes artificiais em alimentos: a tartazina (E102), amarelo quinolina (E104), amarelo pôr-do-sol (E110), carmoisina (E122), Ponceau 4R (E124) e vermelho allura AC (E129).

Diferente dos corantes, os conservantes que tem como objetivo atrasar a deterioração dos alimentos por microrganismos como  bactérias, leveduras e bolores, que de fato podem ser muito prejudiciais a nossa saúde.

A tabela abaixo, mostra algumas nomenclaturas utilizadas em rótulos nutricionais e alguns grupos de produtos alimentares em que são utilizados:

 Número E
 Substância/Classe
 Alguns produtos alimentares em que são utilizados
 E 200 – 203
 Ácido sórbico e sorbatos
 Queijos, vinhos, frutas secas
 E 210 – 213
 Ácido benzóico e benzoatos
 Compotas e geleia, fruta cristalizada, peixes semi-preparados, molhos, maionese, sorvete, margarina, sucos de frutas
 E 220 – 228
 Dióxido de enxofre e sulfitos
 Frutas secas, frutas preservadas, produtos à base de batata, vinho
 E 235
 Natamiciana
 Tratamento do invólucro exterior de queijos e salsichas
 E 249 - 252
 Nitratos e nitritos
 Salsichas, baicon, queijo

Porém, devemos refletir sobre o impacto destes aditivos, uma vez em que o corpo humano é colonizado por bactérias, sendo o intestino o principal habitat desta  importante colonização que chamamos de “microbiota intestinal” ou “flora intestinal”, responsáveis por inúmeros processos como síntese de vitaminas do complexo B e vitamina K, função digestiva a partir da síntese de enzimas digestivas, regularização do transito intestinal, absorção  de nutrientes, além de função imunomoduladora (associada a nosso sistema imunológico e tolerância oral). O que muitos estudos vem mostrando é que o uso deste conservantes  pode exercer impacto negativo na microbiota intestinal.

O conservantes benzoato de sódio ( E211), por exemplo, esta muito associado a hiperatividade.  Outros associados a patologias respiratórias e imunológica.

Em crianças, a introdução, principalmente precoce de  alimentos  supérfluos com quantidade excessivas de lipídios (gorduras),  açúcares, corantes e conservantes,  podemos causar um "imprinting metabólico”, caracterizado como um desequilíbrio do metabolismo, deixando- as mais susceptível a determinadas  doenças.

Com todas estas informações e o crescente interesse por produtos naturais, algumas  novas formulações alimentares têm se voltado a utilização  de corantes naturais,  que  não gerem tais impactos negativos na saúde e sim positivos, como no caso da curcumina (cúrcuma) que confere a cor alaranjada aos alimentos e com atividade anti-inflamatória; o licopeno (do tomate ou goiaba ou melancia), que confere coloração vermelha; as antocianinas (da uva e frutas vermelhas) e a cor azul da berinjela e cor verde de legumes.  

Na área de conservantes alguns estudos vem sendo realizados com a erva doce, assim como a canela, devida as propriedades naturais antibacterianas. Porém estes produtos ainda são a minoria no mercado, portanto ainda temos que evitar ao máximo produtos industrializados e ficar atentos aos rótulos nutricionais, principalmente a descrição dos ingredientes.  

  

Referências Bibliográficas

Mesquita J, F. Et.al.  Controle microbiológico de alimentos utilizando óleo essencial de Pimpinella anisum (erva-doce).Hig. aliment; 25(196/197): 154-158,  2011.
Moreira, M. A. C. Et. Al  Insuficiência respiratória aguda após exposição a conservantes de alimentos* J. bras. pneumol. vol.31 no.5, 2005.
Polônio, M.L. T & Peres, F. Consumo de corantes artificiais por pre-escolares do municipio dda baixada fluminense- RJ, 2012. Acesso diesponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1609/pdf_487
Directiva 95/2/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Fevereiro de 1995, relativa aos aditivos alimentares à excepção dos corantes e edulcorantes:http://europa.eu.int/comm/food/fs/sfp/addit_flavor/flav11_pt.pdf
Acero S., Tabar A. I, Arregui C., Urdánoz M., Quirce S. Asma y alergia por el colorante carmine Asthma and allergy due to carmine dye. An Sist Sanit Navar. 26(supl.2): 65-73, 2003. 
Polônio M. L.T, Peres F. Consumo de aditivos alimentares e efeitos à saúde: desafios para a saúde pública brasileira. Cad. Saúde Pública, v. 25 n.8, 2009.


Canela e seus benefícios





A canela (Cinnamomum verum, C. zeylanicum) é uma especiaria muito utilizada para agregar aroma aos alimentos.  Seja ela em pó ou em paus, são muitos os benefícios a saúde:

- Melhora de processos inflamatórios: como gripes, congestões nasais, lesões, alergias e ganho de peso por diminuir os processos iniciais da inflamação (TNF-alfa; LPS; IL-6). 

- Controle da glicemia: os polifenois assim, o como o cromo estão relacionados a melhora da sensibilidade da insulina (hormônio que “controla” a glicemia), sendo portanto muito recomenda aos diabéticos, para quem quer perder peso, para aquela “fominha” de doce após refeição e para mulheres com síndrome de ovário policístico.

- Aumento da saciedade: por promover esvaziamento gástrico mais lento, a canela é indicada para perda de peso e compulsão alimentar.

- Ação antimicrobiana (devida presença de cinamaldeído). Estudos tem correlacionado bons resultados para o crescimento da Escherichia coli, associada a colite hemorrágica, infecções urinárias entre outras patologias. O óleo essencial da canela também inibe o crescimento de outras bactérias, como Aspergillus parasitucus, Clostridium perfringens e Bacteroides fragilis, reduzindo a produção de toxinas no organismo. Atualmente a canela tem sido sugerida como um possível conservante de alimento.

- Ação anti-inflamatória e antioxidante: melhorando aspecto da celulite, pele, preventivo do envelhecimento precoce, bem como patologias mais severas como o câncer.
- Melhora do colesterol e triglicérides: os estudos ainda não são conclusivos, mas muitos tem apresentados boas respostas.


SUGESTÕES DE USO:
- com frutas (Sugestão: com banana, maçã, abacaxi, morango)
- com chás: (Sugestões: gengibre + cravo + canela; hibisco + canela; Maçã+ canela)
- com café
- Em bolos ou outras preparações
- Com alguns tubérculos como a batata doce




Referencias Bibliográficas 

Allen RW et. al. Cinnamon use in type 2 diabetes: an updated systematic review and meta-analysis. Ann Fam Med; v. 11(5), p. 452-9, 2013.
Hong JW etl al. Anti-inflammatory activity of cinnamon water extract in vivo and in vitro LPS-induced models. BMC Complement Altern Med; v. 12, p.237, 2012.
Han C; Cui B.Improvement of the bioavailability and glycaemic metabolism of cinnamon oil in rats by liquid loadable tablets. ScientificWorldJournal; 681534, 2012.
Hagenlocher Y et.al. Cinnamon extract inhibits degranulation and de novo synthesis of inflammatory mediators in mast cells.Allergy. v. 68(4), p. 490-7, 2013.

Educação Nutricional





Quando fui convida a falar sobre Nutrição Infantil, logo me veio a palavra EDUCAÇÃO á cabeça. Educação em seu sentido mais amplo tem como definição: aplicar por meios próprios a formação física, intelectual, moral, didática e pedagógica.
A educação infantil com certeza é iniciada através do exemplo e na Educação nutricional não é diferente.  Porém me pergunto, será que os pais estão preparados para essa didática?

Na pratica de consultório,  vejo muita falta de preparo, de segurança e até  desleixo por parte dos pais em relação a sí próprios e, por consequência, em relação a alimentação de seus filhos.
A alimentação, ou melhor, a Nutrição  exerce influencia em tudo. O intestino, por exemplo, é considerado nosso 2º cérebro! Ele Influencia o crescimento, a produção hormonal, a aprendizagem,  o sistema imunológico e muitos mais.  Acredito que ninguém tem um filho, sem querer o melhor para ele.   E, na realidade de hoje, o que vemos é uma epidemia de crianças acima do peso, muitas vezes sofrendo bullying; crianças com déficit de concentração ou transtorno de ansiedade e compulsão, com diabetes, hipertensão.  Tudo isso tem muito a ver com  a alimentação.

Acredito que escolher ser pai, é escolher se doar, é  abdicar de coisas, pelo menos temporariamente em pró de um objetivo.   É preciso estar preparado para falar NÃO  aos filhos.  E isso eles irão lhe agradecer um dia.
Os pais precisam se estruturar, ter uma rotina  alimentar já pré- estabelecida, precisam ter a informação para passar a educação, “ Ninguém se torna um professor de inglês, sem saber falar inglês”.   É preciso se ter uma estrutura alimentar a ser seguida de exemplo.     

Durante a gestação a principal preocupação da gestante deve ser a qualidade nutricional, com alimentos de verdade, ricos em vitaminas, minerais e o mínimo possível de industrializados. O controle de  ganho de peso é essencial.   Gestantes acima do peso, podem favorecer a dislipidemias de seus filhos (obesidade, hipertensão,  colesterol, diabetes).

Durante a amamentação exclusiva (primeiros 6 meses), e nada é capaz de substituir o leite materno, é importante observar a presença de sintomas como:  muitas cólicas,  constipação, diarreias,  dermatites ou  muito choro. Nestes casos a alimentação da lactante deverá ser revista e corrigida.

Antes de iniciar a introdução alimentar é muito importante que os pais tenham clareza e consenso quanto a melhor prática alimentar a ser aplicada.  Nesse sentido, o apoio de uma nutricionista se mostra de extrema importância. Erro muito comum neste período é a introdução precoce de industrializados como biscoitos (ricos em açúcar, farinha refinado,  gordura trans),  "danoninhos" (ricos  em açúcar, conservante e de forma indireta antibióticos), sucos ou papinhas totalmente impróprias a saúde (ricas em conservantes, , frutose artificial), salgadinhos (ricos em realçador de sabor, como o glutamato monossódico, um neurotóxico e hepatotóxico).   São todos exemplos de alimentos pobres em termos nutricionais que nada irão agregar a criança, que neste período de desenvolvimento precisa de muitos substratos, como fontes de gordura boa, como do azeite;  frutas  e verduras varias,  arroz, feijão, frango, ovo, comida de verdade e pra isso acontecer tudo que você precisa é se planejar.  

 Algumas estrições no 1º ano de vida, pode fazer a diferença, para uma história de vida feliz.



Matéria publicada em: Guia Infantil 


Chá Verde




Não somente o chá verde, mas muitas outras plantas podem ter diversas contraindicações. O chá verde é muito conhecido pelas suas propriedades de redução de peso,  devido as seu efeito termogênico,   além disso,   é capaz de proporcionar outros benefícios como melhora da glicemia de jejum, melhora do colesterol LDL (“ruim”),  redução do  risco de cardiopatias, entre outros.   É contraindicado em muitas outras ocasiões como patologias hepáticas, hipotireoidismo, problemas  renais,  hipertensão,  anemia e pode apresentar grande interferência  em muitas medicações. 

Como a maioria das plantas, possui finalidade  especifica e tempo limite para sua utilização.  É importante deixar claro e desmistificar  a ideia de que plantas  por serem “naturais” tem fraca ação ou são isentas de risco a saúde, afinal, todos os benefícios citados acima  são descritos em vários artigos científicos e muitos dos medicamentos vastamente utilizados hoje são a base de plantas. 


Busque sempre  orientação personalizada.  


Pasta de Amendoim


Sua popularidade no mundo “fitness” é cada vez maior, mas com certeza, não é só esse público que pode  se privilegiar   dos benefícios do amendoim.   Dentre eles, a redução na incidência de até 30%  risco de câncer de  próstata e redução de  até 14%  do triglicérides .  

Fonte de gordura boa, serve de matéria prima para produção hormonal,  é fonte de proteína vegetal, não pode  faltar do cardápio dos vegetarianos e veganos.     Fonte de vitaminas do complexo B, essenciais para produção de energia, boa saúde de fígado e  coração,  além de ser uma opção  de baixo índice glicêmico, como comentado anteriormente,  reduz o risco de ganho de peso  e diabetes.    

Os principais cuidados quanto ao seu consumo,  se referem a  marca e quantidade  ingerida.      Infelizmente  o amendoim pode estar contaminado com toxinas de um fungo  (aflatoxina B1), associada  a risco de câncer e problemas hepáticos.  Em grandes quantidades pode  contribuir para o ganho de peso.   Para melhores informações consulte o seu nutricionista.